segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Na minha janela


Através da janela é por onde tenho visto o mundo, esta tem sido como minha iris. E tudo que vejo é a mesma paisagem, o mesmo jardim, as mesmas plantas, estou percebendo até o crescimento das plantas. É pela janela do meu quarto que estou regulando meus dias. O sol nasce e se poe e eu fico aqui tal qual um doente convalescente que aguarda ficar bom. Estou aprendendo a olhar através da minha janela. Aprendendo tanta coisa e nada ao mesmo tempo. Quando me canso de olhar pela janela da nuvem internet, vou a janela real e vejo as folhas secas espalhadas pelo chão, a acacia  em seu demorado processo de transformação, as flores amarelas da sibipirunas caídas pelo chão. Vejo ainda samambaias, uma opuntia, uma alamanda, uma trilparis, três petiverias, um ficus e uma dichorisandra, nem mais o estrela pra balançar a calda. Pela janela ouço o som das aves, dos carros, das pessoas. Tudo vai passar, estou só sofrendo uma metamorfose e a luz que cruza minha janela, as cores, os odores são só uma graça divina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário