segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Reflexão





Atualmente, não temos tempo para reflexão ou para pensar sobre o sentido da vida, simplesmente nos transformamos numa geração de consumistas. Queremos consumir tudo que vemos e isso pregam os veículos de comunicação que é possível que vale a pena, para isto basta usar um cartão e tudo pode ser pago. Não precisamos da religião, religiosos são ridículos e pobres assim se expressam muitas pessoas ditas esclarecidas, com uma situação financeira  suficiente.
No entanto, como pensar se os nossos pensamentos se encontram estão prontos. Se há especialistas que explicam tudo, qualquer fato que acontece pode ser explicado, ou ao menos é o que creem os canais que dominam o mercado midiático. Dessa forma recebemos empacotadinhos nas revistas, jornais, internet e tv os pensamentos mais quentes. Nos tornamos consumistas de informação também, até ai tudo bem, no entanto perdemos o hábito de pensar.
Essa grande quantidade de pensamentos feitos tornou nossos cérebros preguiçosos.
Nos achamos imortais, superiores e fortes. Sofrer é coisa de fracos. No entanto nunca teve tanta gente fazendo terapia. Consulta a psicólogos substituiu as confissões aos padres nas igrejas, apenas substituímos de ordem e de pessoa.
A morte passou a ser algo impensável na atualidade, envelhecer, só para quem não tem dinheiro, pois hoje tem remédios e plásticas. Quem quer ser gordo, gordura é doença. Eis os pensamentos da atualidade.
Atualmente, ter o corpo perfeito é o mais importante, quanto a mente basta consumir o que a mídia divulga. A verdade está nestes veículo. Nem percebemos quão fracos e dependentes estamos nos tornando.
A vida não é simples, embora seja pregado como simples, no entanto precisamos refletir sobre a condição do ser para com a vida. O sofrimento que não queremos viver atualmente, muitas vezes é necessário para entendermos a vida.
Muitas pessoas refletiram sobre os sofrimentos humanos.  São Jerônimo refletia muito sobre a vida. De certo era uma pessoa que estudava e tinha muito conhecimento sobre a vida tinha em sua mesa de estudo um crânio que represava a brevidade da vida. Embora pareça louco, era uma forma de refletir sobre o mundo, de que não fugisse de sua mente a sua mortalidade, sua humanidade.
E as vezes penso para onde estamos indo? O que será de nós. Se não pararmos para pensar como podemos para vivermos num mundo melhor. Certamente não haverá recursos para todos senão pararmos para refletir sobre um mundo melhor e fizermos o mínimo para sermos melhores.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário