quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Noite

A noite silenciosa trança o destino do mundo,
oculta os malfazejos dos males feitos,
oferece oportunidade para realizar os desejos.
No jardim desabrochado perfuma o jasmim
a rua que nua, e clara pela luz elétrica fria,
as vezes até assobia para o vento.
Noite, extrema noite, última noite,
quem sabe o que revelará no amanhecer,
quem fechará os olhos e não mais abrirá?
Noite que tu apronta, que preparas para o amanhã?
Estou tão cansado que  nem posso imaginar.
Noite vem aqui me abraça
e me poe para dormir,
porque amanhã será outro dia,
e outra noite sucederá 

Nenhum comentário:

Postar um comentário