quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Manhã de primavera


Nasce tão bela 
a manhã de primavera,
as aves cantam sem parar.
Amanheço, abro a janela,
sinto a brisa invadir 
o quarto e roubar 
minha alma
que está calma,
a brisa leva-a
a minhas lembranças,
enche-a de esperanças.

Enche-me de esperanças,
as minhas lembranças,
que a brisa leva
a minha calma,
da minha alma,
no meu quarto,
sinto a invasão da brisa,
a janela amanhece para mim,
deixa entrar o som das aves
que cantam sem parar,
na manhã de primavera,
que nasceu tão bela.

Nenhum comentário:

Postar um comentário