quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Essência



Com o tempo e a convivência ficamos tão parecidos uns com os outros que muitas vezes é difícil separar as ideias e os pensamentos ou melhor saber a quem pertence. Como num reflexo chegamos as mesmas conclusões, acabamos tendo as mesmas ideias e mesmos objetivos. Com o tempo nem percebemos, mas passamos a ser mais o outro que nós mesmos, nos parecemos com quem nos ama e é recíproco.
É como fazer uma boa comida que para que assim o seja tem que ser feita com bons sentimentos. Os ingredientes crus, sem parecem até sem graça e sabor, no entanto quando se junta tudo num só recipiente, se aquece, põe algo que uniformize o calor, e com o carinho e saber qual o ponto certo, eis que está feito uma delícia de comida.
Com o tempo vamos descobrindo mais sobre nós mesmo e geralmente é aquele(a) com quem convivemos que nos mostra o certo, de uma certa maneira estamos constantemente nos educando, aprendendo sempre mais sobre o outro e ao conhecer o outro aprendemos mais sobre nós mesmos. Vamos descobrindo nossa essência na relação. É essa relação que nos permite nos definir, e ainda faz com que suportemos as dificuldades que temos na vida.
Toda relação é uma construção uma aprendizagem, em que somamos. Tenho um amigo que sempre me dizia que uma relação só presta se for para somar. Ainda hoje concordo com ele, mas até que ponto uma relação vem a somar em nossa vida? Muitas vezes as relações sim somam muito na nossa vida, mas muitas vezes nos tira a liberdade. Se nos falta a liberdade de escolha. Se o respeito pelo outro é perdido, com certeza a relação está fadada ao fracasso. E o que sei eu sobre respeito. Creio que não sei muitas coisas,
se já fracassei tantas vezes em minhas relações, por não se dar ou perder o respeito. Acho que com o tempo que serei eu senão palavras de livros, um monte de trabalho, um mesquinho em meu mundinho.
Penso, sim penso nessas coisas. Vejo meus amigos de infância casados com filhos e seus problemas de vida. A mim, acho que não sou tão diferente, a diferença que não tenho os meus problemas, tenho os problemas de todos, porque não tenho minha própria família. Até quando evoluí? Não sei. Sei que com o tempo aprendemos e somos mais parecidos com quem amamos. E quem mais amamos sempre parte.
Um dia seremos nós, para nossa maior tristeza ou felicidade...

Nenhum comentário:

Postar um comentário