sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Descrever o meu mundo

Às vezes, gosto de explicar o mundo, através das palavras, a minha maneira. Como tudo que faço fica meio torto, troncho ou inacabado, assim ficam os meus textos. Então para embelezar um pouco o minhas descrições sobre o meu mundo, coloco a coisas belas como as flores, o canto das aves, um dia de de sol pu de chuva. Às vezes falo sobre a chuva, pois a chuva sempre foi algo bom para mim, antes do homem morar em barracos ou ribanceiras, chuva sempre foi sinônimo de vida; e o mais difícil de descrever é quando falo sobre mim ou sobre os sentimentos humanos. Sei que não escrevo bem,  mas pelo menos tento traduzir o mundo a minha maneira, pois vejo e sei que a beleza da vida está nas coisas simples e pequenas. Não é fácil materializar o mundo em palavras ou melhor traduzir o mundo, mas como sou meio largado, vou alinhavando os meus textos como quem costura sacos de castanha, com uma agulha grande e com barbante, pelo menos as castanhas não caem do saco. Acho que nunca escreverei como um Borges, um Pessoa, um Drummond, um Bandeira ou um Neruda, mas pelo menos ao tentando traduzir o mundo a minha maneira. Desta forma vou bebendo na filosofia, na literatura, nos jornais e muitos outros canais como entender o mundo, que é para depois tentar traduzir o mundo a minha maneira. Não tive a sorte de ter livros em casa quando criança, mas tive a sorte de ter tido pessoas que contavam histórias, pessoas que conversavam, talvez porque não tinham televisão. Mas aquelas pessoas conversavam, contavam seus causos. O mundo naquela época era muito mais colorido e cheio de sabores e texturas. Só que logo a televisão chegou e passei a ver o mundo no preto e no branco, sem cheiro e sem cor e eu não aprendi a conversar, nem a ouvir e fiquei assim vivendo de aforismos, completando ou concordando com o que os outros pensam e falam. E foi ai que aprendi a ler, e assim lendo, um pouco mais a cada dia que descobri Gandhi, Aluízio Azevedo e meu mundo vou se ampliando com a leitura, fui lendo textos de alguns poetas e escritores. Não sabia que a poesia era tão metafísica, e gostava de ler mesmo assim, talvez por preguiça. Não tem sido tarefa fácil tentar traduzir o mundo, mas eu vou mesmo assim dando cores, cheiros e sons aos meus textos, umas ficam bonitos, outras ficam horrorosas as que falam sobre mim por exemplo. Um dos grandes problemas é a minha deficiência com língua materna, pois cometo erros grosseiros de ortografia, sintaxe, concordância dentre outros. Pelo menos, alinhavo com algumas metáforas que é o que me salva ou me condena, sabe-se lá. Não tenho um grande público mesmo, mas nem por isso não devo deixar de limar minhas frases, talvez por não ter um público crítico, vou alinhavando minha pequena obra. Acho que tenho que ter mais carinho com as palavras, pois elas são a substância de minha expressão. Quem é o meu público? Acho que só me leu, vagos amigos. Acho que não me faço interessante, mas já falei, não sei tecer bem com as palavras, não sei monologar e raras são as vezes que engatilho um diálogo com alguém. Na maior parte do tempo fico assim sem jeito, sem graça, como menino envergonhado, e as palavras somem de minha cabeça. Mas eu sou cabeça dura, nunca desisto fácil e vou conversando comigo, mesmo tendo dificuldades ou com as pessoas que me rodeiam, vou buscando pela metafísica tentando descrever o mundo a minha maneira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário