quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Sete de setembro

O dia sete de setembro em Serrinha dos Pintos sempre foi um evento. No dia sete de setembro, antes de irmos ver o desfile, íamos todos primeiro à escola onde estudávamos, hasteávamos a bandeira, cantávamos o hino e seguíamos para a ruinha, serrinha, a pé ou de bicicleta.
Por, este dia, sempre ter sido um evento naquele pequeno lugar. Os poucos eventos nos deixavam muito felizes, as vezes num lugar que pouca coisa acontece, qualquer acontecimento é um evento. Passei a adorar os sete de setembro.
Gostava de ver a bandeira hasteada em nossa escola isolada e de ver que os adultos ao passarem diante da bandeira tirarem seus chapéus em respeito a pátria. Achava e acho muito belo sinal de respeito e civismo. Em minha cidade, como em todas as cidades do nordeste, havia e creio que ainda há desfiles em homenagem a pátria. 
 Era lindo de ver os desfiles pelas poucas, pequenas e apertadas ruas de Serrinha que na minha infância ainda era um distrito.
 Então umas duas semanas antes do sete de setembro havia uma atmosfera de patriotismo. Havia todo um preparo nesse período os professores ensinavam os meninos a marchar. Eram duas escolas que desfilavam em serrinha, a Escola Estadual Serrinha do Pintos e a Escola José da Câmara, cada uma com pelotões diferentes. 
Lembro do trabalho que dava para organizar o esforço das pessoas para domar as crianças, todos os professores reunidos em uma só causa o sucesso do desfile, além de organizar ainda tinham de fazer o esforço de tomar emprestado as roupas ou faziam quando podiam. Era um esforço feito em conjunto.
 A cada ano tentava-se ser melhor que no ano anterior. Finalmente, no dia sete de setembro como num riacho que começa a tomar a primeira cheia, as ruas iam enchendo aos poucos de gente. E como numa manhã de inverno em que todas as plantas desabrocham suas flores coloridas, bomba d'aguas, comelinas, de azuis; jitiranas, ipomoea, de rosas e azuis; senas de amarelo; os calumbins e juremas, mimosas, de branco; as crianças e adolescentes todos perfumados e coloridos começavam a colorir a cidade. O barulho das motos, das mãe agitadas arrumando seus filhos para o desfile, do pessoal da banda afinando os instrumentos. Tudo isso gerava em mim uma sensação de felicidade tão boa, uma sensação de esperança, afeto e orgulho por fazer parte de tudo aquilo que me dava uma identidade. Uma emoção forte explodia no peito de poder olhar para as meninas mais bonitas sem que elas pensassem que estava olhando para sua beleza dela, mas para suas roupas. E nós meninos que não eramos bestas íamos em busca dos pelotões onde estavam as meninas mais bonitas, fazíamos nossas avaliações. 
Enfim, Neste dia a igreja abria e ali na matriz, Chiquinho de Raimundo Moura explanava o significado de cada pelotão. No desfile o primeiro pelotão era o da guarda da bandeira nacional, seguido do pelotão das bandeiras estaduais, municipais; logo após vinha a banda de música e se seguia hierarquicamente,   onde vinham os agricultores quase no final, só não iam no final por causa do pelotão das bicicletas.
  Eu que morava no sítio adorava ver aquelas pessoas desfilando e queria participar desfilar, ficava imaginando desfilar no melhor pelotão, tocar na banda, mas nada disso nunca aconteceu, eu era muito matuto, todos meus irmãos desfilaram, menos eu.
Então ao final do desfile todo mundo se reunia em frente a matriz, cantávamos o hino nacional e estava consumado. Restavam os comentários e aguardar para o próximo ano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário