sábado, 27 de agosto de 2011

O caracol e a manhã


Acho que o mundo pode ser maior do que parece, como um caracol que o é, sendo um ser spiraçada é maior do que se percebe. Quanto espaço tem nossa mente para apreender tanta informação? Assim como o mundo do caracol não sabemos, desconhecemos. Às vezes, quando tomava café, percebi que havia um caracol vivia num jarro de flores e quando ainda era cedo saia se movia por alguns centímetros e volta va para dentro do jarro. Seria o caracol triste? Não sei seria o mesmo ou seria outro. O fato é que por dias seguidos vi aquele caracol ali se arrastando, se movendo. O que estaria buscando? Sob aquela bela petúnia de flores atropurpúrea que para ele seria uma árvore se comparado o nosso tamanho. Ele como um ioio ia e voltava, acho que temia o mundo, não o gato que aterroriza as aves cuidadosas que apareciam sempre no jardim, as vezes cantando, as vezes silenciosas. Aquele personagem engraçado com aquela concha não tem medo de nada, acorda cedo, se é que dorme, e dorme cedo. Vive sozinho, não senti frio, calor ou medo, não tem amigos. Simplesmente vive. Os caracois são hermafroitas com isso poderia ele ter sua própria família. Então qual seria sua geração? Pelo percebia o jarro não teria muitos anos, mas ele veio de outro lugar ou sempre esteve ali no jardim? Não quis sair para entrevistá-lo,  pois apesar de ser verão, aqui em kew, faz frio pela manhã e chove muito por vezes. O caracol que se arrasta e deixa um gel por onde passa, é uma figura muito interessante, estava sempre ali, me esperando para tomar o café, até tentei um discurso metafísico, mas não tive muito sucesso, acho que não prestei-lhes a atenção devida. Olhei várias vezes para ele, mas na verdade estava afogado em meus pensamentos. Estava embelezado pelo jardim que tem um lindo gramado, flores brancas de asteraceas e de beriberiaceas, tem até uma linda papoula vermelha, maravilhosa, até a fotografei outro dia, tem uma trombeta que floriu por duas vezes e ontem estava divina, linda era uma flor noiva, branca como a neve. Gosto desta paisagem, tem um carro de mão que sempre está cheio de restos mortais de plantas. Agora que o verão está indo o jardim quase não tem flores, tem nada não o caracol ainda está lá. Hoje acordei mais tarde, ou melhor, levantei mais tarde porque acordei no mesmo horário. Fiquei no colchão no chão deitado pensando, o que fazer já que é meu último sábado, só fui para a cozinha depois das oito. Quando cheguei lá a dona Francis estava, preparei meu sereal, sentei no lugar de sempre, mas nem reparei no caracol, conversei com a dona Fran. O sol brilha mais que ouro aquecido. Nem vi o caracol, nem pensei. Acho que não gosto de pensar. Meus pensamentos são tão simplórios. Bem não vi se o caracol estava lá. Preciso organizar minhas ideias, uma por cada vez senão meu mundo não vai ser suficiente, não vou ter tempo e espaço para viver tanta coisa que quero. Vou pedir conselhos para o amigo caracol, acho que ele sabe muito bem o que fazer e como me ajudar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário