sexta-feira, 19 de agosto de 2011

O beijos das rosas

Enquanto cai a noite,
suave a brisa sopra,
nos ricos jardins,
flores coloridas se apagam,
enquanto as rosas se perfumam.
E a cada jardim beijo uma rosa,
vermelhas, roxas, amarelas,
todas as rosas são tão belas,
sei onde posso encontrar muitas delas,
algumas roseiras estão vermelhas de frutos,
e outras como vigens desabrocham em botões e flores,
as rosas perfumadas, são tão belas,
e o sol que se esconde apaga a beleza delas,
se não fosse seu perfume que seria delas,
e finda o verão, acaba mais uma estação,
nas calçadas folas secas se espalham,
frutos e sementes pelo chão.
E namoro, e cheiro e beijo as rosas
as rosas alheias, belas rosas perfumadas,
tão efêmeras rosas,
e quando o sol se apaga e a noite chega,
sinto uma forte solidão,
sinto como quem sabe que a morte se aproxima,
que a noite e como o tempo apaga
qualquer rastro.
Aprendi com as rosas que sua efêmera
beleza, vale a pena,
pois é melhor existir,
que nunca existir,
por isso beijo as rosas,
e fecho meus olhos para sentir
minha alma, sentir a calma que pode existir na vida...

Nenhum comentário:

Postar um comentário