sábado, 4 de junho de 2011

Cidade Antiga Geneve

Os dias, aqui em Geneve, são longos, porém muito gostosos. Hoje, sábado, fez muito sol. Acordei as onze horas no horário daqui. Tomei um banho e em seguida um forte café. Estava planejando ir ao túmulo do Borges, mas ficou para amanhã, pois precisava saber onde fica o lugar que vou comprar a passagem para Viena. Então sai de casa disposto. Planejei ir ao mercado comprar energético já que é barato. Preparei-me todo, levei refrir gelado na garrafa. Passei protetor, pra minha sorte porque estava um sol muito forte. O dia estava lindo feito os dias de outono em Campinas. Sai caminhando, então encontrei uma senhora que observava os sapos, perguntei se ela falava inglês para perguntar se sabia onde ficava o cemitério. Ela falou que falava seis línguas. Nossa foi super simpática, ela sabia espanhol, mas preferimos falar em inglês. Tivemos um breve papo, mas muito bom. Segui caminhando. Tirei muitas fotos. Então passei no mercado Lidl, onde comprei cinco energéticos. Em seguida passei no Micro pra comprar chocolate. Depois sai bem em frente a estação central de Trens. 
Depois desci uma rua e fui para num monumento no lago Lénam, e fui caminhando até a cidade antiga onde vi muitas coisas lindas. Vi diversas fontes, cada rua, cada casa era uma coisa ímpar, uma coisa mais linda que a outra. As portas, as fachadas, as placas dos casarões cheias de detalhe. As ruas limpas, sem odor fedido, as fontes de água potável, as janelas, as placas, as pessoas, tudo tão rico e tão diversos. O movimento das formas que adereçam as janelas e as portas, tudo tão rico em detalhes, e as pessoas num silêncio de buda. Pouco se ouve alguém falar, só quando tem jovens, ai tudo é alegria, fanfarrices. Todas as pessoas aqui são tão simples. As pessoas conservam, se adaptam e convivem, com as coisas antigas. É maravilhoso esse silêncio, parece que tem uma orquestra tocando e ninguém quer falar. Aqui, na cidade antiga, tudo é muita contemplação. Deve-se caminhar por essas ruas só, para não perder um detalhe. Cada vez que se pensa que já viu algum prédio ou monumento mais bonito, é superado pelo seguinte, seguinte... Acho que poderia passar um ano aqui só estudando, observando as coisas. Meu objetivo era chegar a igreja presbiteriana de São Pedro finalmente cheguei. Simplesmente perfeita. Na entrada da frente tem lindas colunas gregas ou latinas. Ao entrar na igreja reina o silêncio. Ver aquelas paredes, sentir a textura e imaginar que a mais de 400 anos ali naquele lugar se realizam cultos. Quantas gerações não se passaram por ali, quantos cultos ou missas.   Quanta coisa não aconteceu  no mundo e aquele monumento continua do mesmo jeito, intacto e bem conservado. Só mesmo um povo consciente para conservar suas memórias materiais. Então me arremeto para o Brasil e penso como seria bom que nossa terra fosse assim. Depois de muita reflexão saio caminhando novamente pelas ruas. Feliz por está ali, naquela tarde, vendo tantas pessoas. Ai ouço uma mulher que segura a mão de uma criança, falar que lindo, tinha certeza era brasileira. Brasileira e ela sim, nós duas. Trocamos pouca ideia. Ela era de Santos, Brasil, e ele alemão. Continuei. Andei até o museu, depois fui a uma linda praça, mas logo a bateria da câmara foi acabando e veio um tempo de chuva que me pós para casa mais, cedo. Todavia foi um dia maravilhoso. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário