domingo, 1 de maio de 2011

Praça Carlos Gomes

Muito do que me expressa uma paisagem reflete a sua importância para a história de um povo.
As obras de arte, as árvores, a limpeza e organização, estética, mostram o respeito que esse povo tem por seus antepassados.

Ruminei essa ideia que me foi aprisionada após conhecer a praça Carlos Gomes em Ribeirão Preto, SP. Onde esperava o ônibus para ir para a casa da minha namorada. Dali daquela parada de ônibus pude observar os diversos edifícios antigos que se encontram sujos e parecem esta abandonados.
Percebi que os prédios tinham uma fachada muito bem trabalhada, linda. Então comecei a observar na praça que apresenta postes para iluminação modelo republicano, mas com uma luz amarela que ofusca as cores, de certo a beleza da praça a noite. Essas luzes amarela tiram a vida da praça a noite.

Pude perceber ainda dois belos jequitibás um próximo a cada canto pro lado do MARP. Sob um jequitibá há um busto obscuro sem uma luz para iluminá-lo, com uma placa do lado, tão quanto escura. Sem acesso aos visitantes. Bem do lado quase junto a rua tem uma banca de revista. No lado oposto no outro jequitibá não percebi muita coisa. Mais para o centro da praça tem enormes e belíssimas palmeiras imperiais. Com alguns vagos bancos. A praça só não está mais vazia e abandonada porque crianças jogavam bola, usando o espaço vazio.

O que me dizem os jequitibás e as palmeiras imperiais?
Contam-me muito do passado e da importância do lugar. Sim visto que foi uma palmeira imperial, Roystonea oleracea (Jacq.) O.F., trazida das Antilhas, que Don João VI plantou no jardim Botânico do Rio de Janeiro como símbolo da criação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro,
além de ser uma das plantas mais utilizadas no passado em obras paisagísticas nos prédios imperias, tais como Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Jardim Botânico de São Paulo, Instituto Agronômico de Campinas, Museu do Café em Ribeirão Preto. Essas palmeiras são verdadeiros obeliscos vegetais. E observando pelo tamanho, podemos concluir a idade da planta e consequentemente da bela praça.
Os jequitibás são belíssimas plantas da nossa flora, presente em muitas matas do interior de São Paulo. Muito conhecido pelos habitantes da cidade de Campinas pelos enormes jequitibás presentes em frente a prefeitura daquela cidade, nome que deu nome ao prédio da prefeitura, Palácio dos Jequitibás. Ou seja não foi por acaso que escolheram plantas tão importantes como símbolos que representam o estado de São Paulo, a cidade de Campinas e consequentemente a cidade de Ribeirão Preto. Sendo prestigiada com esse espaço, com essas plantas, com o nome de um dos filhos do Brasil que mais nos representou fora do país, levou através de sua música ao mundo o conhecimento de nossa cultura com o Guarani.
Diante do aparente desconhecimento da importância histórica desta praça, tão subutilizada, é triste ver o sucateamento e a morte de um ambiente, berço rico para a história do provo ribeirão pretano pode está sendo enterrada.
É triste passar por uma praça que não está escrito nem em placas de trânsito o nome da praça.
Ainda é tempo de repensar sobre essas reflexões.
Essa ideia ainda está impregnada em minha mente e não quer calar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário