terça-feira, 24 de maio de 2011

Os inteligentes

Lembrei!!!
Na minha infância, eu acreditava que as pessoas mais inteligentes eram aquelas que sabiam fazer coisas que ninguém mais ali sabia ou as que faziam com maior perfeição.
Dentre as pessoas que admirava, ou melhor achava inteligente, havia um senhor chamado Elizeu que mexia com carpintaria e com soldagem. Em minha casa guardávamos os sereias, milho e feijõ, em silos de zinco. Então todos os anos era a mesma coisa, sempre que usávamos os silos as bocas por onde passavam os grãos ficavam quebradas, eram defeituosa por gênero. Então todos os anos era a mesma cantiga quebrou a boca, tem que concertar. Em algumas das vezes papai chamava o Elizeu, que trazia aquela coisa sólida e depois fundia no fogo e soldava as bocas, para serem quebradas do mesmo  jeito. Ele tinha uma marcenaria, e quando quebrava algum objeto, ou melhor foice, xibanca ou lavanca, papai levava pra ele soldar. Gostava de ir com papai, porque achava  muito legal aquelas máquinas que ele tinha. Aquela super plaina, um torno eu acho. Achava que aquela era uma toca do professor Pardal. Mas ele nunca inventava nada, só concertava. Tinha Severino Manases que tinha um jipe que só faltava falar. Roda movido a gás, bojão, e concertava-se com arame. Era muito interessante a relação dele com a mecânica, que acho que ele não entendia nada, só tinha paciência de Jó.
Hermes era outro senhor que mexia com ferro e tinha um carro que nunca se acabava. Bem uma má qualidade compartilhada por eles, com exeção de Serveino, era a ignorância. Eram pessoas como dizem lá, brutos de dar nó em arame farpado.
Enfim eram essas figuras que acreditavam ser os mais inteligentes, e realmente eram muito inteligentes.


Nenhum comentário:

Postar um comentário