quarta-feira, 6 de abril de 2011

Música

Quando criança não lembro de ter escutado música clássica. Ouvi sim quando foi inaugurada uma rádio na cidade vizinha, rádio vida. Ouvi tocar músicas de Bach ou era Mozart, não lembro era uma semana de páscoa e o padre da nossa paróquia usava a música como pano de fundo. Associei aquela música a sofrimento, foi difícil desvincular aquela ideia de minha mente. Quando cheguei na universidade tinha uma professora muito chata que disse que gostava de Chopin, nossa não conseguia ouvir nem uma música. Bem ouvira alguma música sim, mas sempre associada a algum comercial, ou filme, mas música pura não. Na universidade tive oportunidade de ouvir a orquestra toca e aos poucos minha mente foi se abrindo, foi se tornando apetitoso esse tipo de música. Bem na minha juventude era muito eclético gostava do que passava no rádio, gostava de canções que falassem de casos de amor, com histórias, ou músicas que me fizessem bem, definitivamente forró não me fazia esse bem, nem as demais, essas músicas parece que só se ouve bem acompanhada de bebida, então se era o que tinha era o que ouvia. Não temos gosto quando não podemos optar. Bem quando fui para São Paulo, aprendi que na rádio cultura fm só tocava música clássica e tinha uns programas bacanas que explicavam a música então como uma luz fui aprendendo a gostar. Sabia da música mas não sabia quem compunha, fui ouvindo e a proporção que fui ouvindo fui aprendendo que havia correntes literárias que punha em ênfase no contexto da música, e fui gostando de Mozart, Bach, Bethoveen, Holst. E foi a partir da internet que aprendi que existem rádios que só tocam clássica. Amadeus em Buenos Aires, BBC canal 3 Londres, Suiss classic,... e tudo foi fazendo sentido e foi como se a música traduzisse o movimento do vento, das nuvens, das ondas, do ar, o respirar. Parece que a música traduz a vida e me pego as vezes a ouvir e a sonhar, pareço surfar na crista da onda. Então volto no tempo volto para o sertão e ouço as cigarrinhas a cantar, o som do riacho, do vento na folhagem, nos galhos, o cantar do galo, das aves... E ouço dentro de mim e sinto feliz por ser, por viver, por poder ouvir, entender e crer no entendimento e na eterna vontade de aprender sobre a música. Ela está dentro de voce, ela pode organizar e explicar suas ideias. ouça e pense.

Nenhum comentário:

Postar um comentário