quarta-feira, 2 de março de 2011

Viagens

Já fiz diversas viagens onde conheci diversas paisagens, pessoas e costumes. Percebi que em cada paisagem havia uma organização, uma beleza, um complexo composto por uma diversidade de plantas, de cores, de animais, além das riquezas minerais. Os rios com águas cristalinas, as rochas graníticas imponentes com seus minerais longa e profundamente formados, os solos fundos ou rasos e horizontes de tirarem o fôlego dava-me vontade de voar, sentia uma certa liberdade ao sentir a brisa na face e o horizonte tão grande quanto o de um mar. Gosto sempre de registrar os ambientes por onde passo e dentro deste contexto as paisagens favoritas são os crepúsculos, onde o sol se punha diante de rios, palmeiras ou simplesmente no horizonte, com seu alo dourado, brindava o fim de mais um dia cansativo, mas rico em imagens e paz. Nestas viagens tive a oportunidade de conhecer pessoas maravilhosas, conheci muitas e uma das mais especiais foi a Laura de riso fácil, olhar termo e solícito, sulmatogrossense de corpo e alma, junto a ela seu cunhado uma pessoa sensacional Sandro um historiador filósofo, cheio de leituras, me apresentou ao Fantástico Deleuse. Conversamos muito, achei uma pessoa sensacional e com um senso de humor maravilhoso. Conheci ainda o Leandro de Nova Xavantina uma pessoa super inteligente, mas tímido que dói na alma, de família muito humilde, mas que está vencendo na vida, estava no último ano de mestrado. Conheci também a Beatriz Marinon uma professora espetacular, extremamente comunicativa, com uma enorme habilidade de resolver coisas complicadas. Nestas viagens aprendi a beber terere, a comer melhor, a ver o outro de uma maneira mais humana, a me comunicar e ser entendido com as pessoas, a incerteza do acaso, a docilidade das pessoas simples do interior e a frieza das pessoas das cidades grandes, conheci os mais variados sotaques, as mais variadas piadas, os modos de sorrir e as diversas formas de ser.
Visto tudo isso até parece que conheci vários paises, mas na verdade conheci apenas um país, e quase me restringi a uma região, mas foi o suficiente para viver fortes emoções que ficarão marcadas por toda a minha vida, quantos quilometros eu andei? não medi. Quanto gastei? Nem sei, mas valeu a pena cada metro viajado. Quantas coisas aprendi, senti e vivi, palavras não seria suficientes para expressar, mas são importantes para se ter uma moção do que pode um ser munido da vontade de viver.

Nenhum comentário:

Postar um comentário