quarta-feira, 23 de março de 2011

A velhinha e o caminho


Havia um caminho que não dava em muitos lugares, pouca gente passava bem a ali naquele caminho próximo a um riacho havia uma casa, de taipa, uma velhinha e um cachorro. A velhinha era educada e limpa e todos os dias varria o terreiro, as calçadas e a casa. Seus copos simples de alumínio brilhavam, e todos que a ali passavam ela cumprimentava, acalmava seu cachorro que latia, e se ouvia um bom dia. A todos servia um copo de água e um café oferecia. Nestas breves conversas se informava o que acontecia nos extremos daquele caminho, muita gente conhecia e todo dia conversava com quem passava. Sua comida era escassa, seus modos rústicos, mas era muito educada, acreditava em Deus. Durante o inverno o som da água do riacho ecoava em sua casa dia e noite sem parar, quando o verão chegava, pagava por um carga de água. Tinha a face enrugada, e sabia o que ocorria nas extremidades do caminho. Tinha uma voz arrastada, nunca viajara, vivia ali desde sempre, sabia falar como o povo dali falava, palavras rudes, mas se comunicava. E sempre se falava sobre as chuvas, a seca, a vida, as famílias os acontecimentos tão previsíveis, imprevisível era a morte, mas vez por outra subtraia um conhecido, por vezes mais um nascia. Crianças cresciam e envelheciam, aprendiam os vícios e aquele caminho aquela casa, havia uma velhinha e um cachorro, a velhinha era limpinha e educada, mas o tempo passou e a vida da velhinha se encerrou, daqueles que passavam um se destacava por falar muito, falar só, conversar. Este homem que andava numa burra, falava tanto que quando não tinha com quem conversar consigo conversava, tinha a orelha grande, os olhos castanhos e um chapéu de coro, um relógio oriente. Este todo dia passava naquele caminho era notícia certa para a velhinha, um jornal, sim porque esse senhor era um comunicador, de tudo e todos falava, mas o tempo venceu, aquele riacho, aquele caminho se transformou numa represa. Imersa estão as memórias, o caminho, a casa e a velhinha o cachorro e o velho dormem na eternidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário