quinta-feira, 3 de março de 2011

Pálida tarde.

O silêncio da tarde,
o silêncio do frio
me causa arrepio,
é quando a saudade arde,

distante das estrelas,
sinto meu peito puslar,
vejo a vida passar,
tudo isso numa tarde
fria e chuvosa,
numa tarde sem sol,

numa tarde em que me sinto só,
sinto meus pais distantes,
meus irmão longe,
e eu simplesmente me sinto isolado,

nem a beleza da vida me encanta,
sinto uma forte emoção,
sinto vontade de chorar,

mas não adianta
a vida é efêmera,
sabe disso a rosa,
que murcha no fim de um dia,

sabe disso quem
conta a vida em meses,
em dias,

a vida sabe ver a beleza
e o sabor da vida,
em poder respirar,
cheirar, ver
pessoas que conseguem criar
o próprio mundo,
e que trás parte deste mundo
subjetivo para embelezar a vida,
contribuindo com música,
poesia, pintura, ciência e suor,

quando paro para pensar,
numa tarde fria,
de céu branco,
uma planta nua,
que anuncia o outono,

provavelmente tardes virão,
e passarão como
numa melodia de Bach.

Nenhum comentário:

Postar um comentário