quinta-feira, 17 de março de 2011

Nada

Essa semana fomos almoçar e certa hora, já no fim do almoço, Deise minha amiga, falou sobre o pensar no nada. Ela disse que viu em um email que nós homens organizamos as coisas em caixinhas e que só podemos ter uma caixa aberta de cada vez, não conseguimos mexer ou deixar duas caixas abertas, falou também que temos uma caixa do nada, que é esta caixa que passa maior parte do tempo aberta. Achei muito legal. Ela falou que o namorado dela vive com a caixa do nada aberto, acho que também sou assim.



Quando penso, penso meu pensar?
quando penso no meu pensar,
estou pensando?
Conversando com o nada!
há momentos vazios,
em que não penso em nada,
e fico aflito por em nada pensar,
e fico cansado do nada,
paro em frente ao branco
que dar em minha mente,
sinto que estou ausente,
mas não sei onde estou,
pois não sinto pensar em nada,
então me ocupo de pensamentos
triviais, coisas banais,
escuto meu corpo,
percebo suas reações,
sinto fome, sinto medo,
sinto aflição,
parece que o tempo para,
sinto sono,
sinto sempre vontade de vi a ser algo,
mas não percebo um comando,
não sou consciente do que sou,
por isso, nada penso,
nada sou,
vago meu cérebro reluta,
e acabo imerso
no nada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário