quarta-feira, 30 de março de 2011

Calango

Um calango caminha no meio do caminho,
parece esquiar sobre a terra quente,
expondo sua língua para reconhecer o ambiente,
com suas escamas elegantes, vai devagarinho,
segue a intuição, não tem lar,
não tem comida, não tem nada,
só tem a sim, seu corpo é sua morada,
o que busca e viver,
e assim de geração em geração,
o calango vai aprendendo com a natureza,
que seu lar é qualquer lugar,
qualquer abrigo,
não teme o inimigo o incerto,
porque a vida tudo é,
segue passo a passo,
num compasso,
calda, corpo solo,
a se rastejar, sem raciocinar,
a natureza guardou em seu DNA a sua
história a potência de existir,
tem tudo ali,
natureza se encarregou de ensinar,
o instinto de buscar, de forragear,
tudo que precisa é viver,
buscar o que comer,
em seu território,
nem o tempo,
nem as adversidades
fizeram sair do caminho,
das veredas,
o lagarto segue a desfilar,
a existir, é potência
e é ato, tem espírito
que é a vida,
é tudo que precisa
o o calango
a vida dar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário