domingo, 13 de março de 2011

A aranha

O dia nasceu e a aranha já estava lá no banheiro, tinha tecido uma bela teia, talvez tenha agarrado alguma presa na noite anterior, não sei, mas seu dia não seria mais o mesmo. Acordei cedo, abri a janela e vi que precisava varrer o quarto, então fui ao saguão da cozinha e pequei a vassoura, varri o quarto e fui varrer o banheiro. Ela estava lá no canto, atrás da porta, então quando fui varrer a sujeira a teia veio junto e ela saiu andando atordoada. Não percebi mais sua presença.
Agora a noite quanto fui tomar um banho vi que ela estava afogada na água. Aquela aranha apareceu no meu banheiro ou seria que eu estava na sua teia, não sei, não a matei, mas seu corpinho estava em sua teia. Sei pouco sobre as aranhas, creio que não saiba nada sobre mim, nem travamos um dialogo, nada sabíamos um sobre o outro, nos ignorávamos e agora eu sou e ela não, deverá está no paraíso das aranhas agora e seu corpo sobra. Lembro de ver seu corpo andando, parecia ter molas nas pernas, tremia para andar. Parece que conhecia ela de outros tempos. Quando era pequeno, lá em casa, nã tinha eletricidade, nem chuveiro, tomávamos banho de bacia e no banheiro tinha um grande tanque cheio de água para o banho e sobre o tanque aranhas da mesma espécie faziam suas teias. Gostava de mexer com elas e vê-las andando. Elas pareciam não se incomodar, pois por mais que mexesse com elas, sempre estavam lá. Importunei-as tantas vezes. Mas não matava uma sequer, achava o ato de tirar a vida muito brutal. Então o tempo passou, muito tempo e hoje apareceu uma linda magrela aranha, tão logo apareceu, desapareceu. Acho que somos assim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário