domingo, 14 de novembro de 2010

Viagem subjetiva

Palavras?
Como usar?
Não sei, sou quase um bicho que relincha pra se comunicar.
Minhas palavras são desarticuladas, não comunico, falo o que vem a mente. Isso muitas vezes irrita.
As vezes sou condicionado, como um cão que abana o rabo quando quer carícias ou comida.
Muitas vezes não sei me expressar. Então uso a frase do peno príncepe "A linguagem é uma fonte de mau entendidos".
Não penso decoro as palavras, as frases, as tiradas. "Nunca me viu cara de paviu sem fio" só funciona com João Semir, aprendi com ele.

Já "O sol nasceu para todos, mas a sombra é para poucos", aprendi com o Gato, sério nem sei o verdadeiro nome dele. É um cara muito inteligente, cheio das tiradas física. Dizia ele que a preocupação na cabeça de Vitoriano era do tamanho de um átomo de hidrogênio. Falava sério, nos riamos até. Largou física pra fazer enfermagem, na certa hoje ganha muito bem, mora lá em Almínio Afonso, cidadezinha do interior do RN.

Essa tirada dele é muito boa. Todo mundo ri quando a uso.

Sempre foi assim foi colando uma coisa aqui outra ali.

Minhas piadas são um fracasso, faço rir, mas por não saber contar a piada.

Minha alfabetização foi muito laboriosa, rendeu dois anos a Dona Livanir que tinha as orelhas grandes e todo os dias puxava minhas orelhas pra ver se cresciam tanto quanto as dela, ou será porque eu era danado? eis um paradoxo que não resolvi ainda. Acho que gostei pois passei dois anos com ela. E minhas notas, provam que não era lá um bom aluno. Meu amigo Aurivam aprendeu a ler primeiro que eu. Era um dos mais inteligentes, lia os maiores textos. Lembro que certa vez leu uma leitura sobre um besouro. Eu era broco. Quase não pega no tranco. Mas aprendi. Não gostava das palavras, confesso que gostava das imagens. É adorava as capas dos livros, as figuras que antecediam as leituras. Gostava de imaginar o significado das imagens a leitura do texto.
Enfim passei para a segunda série. Bem como sabia da boca do povo que Elenita Dias Lemos era um general que expulsava os alunos ruins, ah, essa não, nunca fui burro, ficava quieto. Minha orelha parou de crescer. Essa foi maravilhosa, passei dois anos com ela, mas porque ela dava aula pra segunda e terceira série.
Mamãe avisava que se fizesse danação na escola, apanhava, então me pelava de medo dos bilhetes dos professores. Dava prazer, dizer que estava de férias que tinha passado de ano.

Então a coisa mudou, deixei a minha escola, sim a Escola Isolada Serrinha do Canto e fui estudar na Estadual. Minha escola, limpa por Zinar de Antônio de Docinha, que ganhava uma merreca pra fazer a merenda e deixar limpa a sala, pela manhã, a tarde era dona Dudé. Para ir para uma escola que mais parecia um presídio, até muro com caco de vidro tinha. É a vida mudou, tinha vergonha de ir na minha monareta pra escola, o infeliz do Fabim de Dodora que é ainda meu primo pegava ela pra fica empinando. Ficava muito irado, mas tinha medo de apanhar, então deixei a guardar na casa de Seu Leopoldo. Bem minha nova professora era Dona Conceicão e nós éramos sua primeira turma. Era magra, morena clara, e tinha o cabelo curto, muito sérias. Todos os dias fazia todos nós rezar um pai nosso. Gostava, naquele tempo, não conhecia ninguém, mas não demorou muito fiz amizade com todos. A memória ainda está fresca. Gostava das aulas de dona Ceição, nesse ano fui bem em todas as provas.
A quinta série foi uma emoção, conhecia o povo da serrinha, mas agora na quinta série era coisa de gente grande. Tinham as turmas A, B e C, era novo ainda fiquei na turma A. Olha nessa turma conheci os meninos e meninas das Lages e Boa Vista. Das Lages tinha Cleilton um menino com o rosto cheio de sardas, muito bom em matemática; Edinéia a linda menina de olhos grandes, Verônica. Da Boa vista, Sileuda e Alessandra. Tinha a menina mais linda da quinta c da Boa Vista Adalziga. A Boa Vista tinha muito boa fama de mulheres bonitas. Ah esse ano foi uma desgraça,
andava com os piores alunos, fazia baderna, cheguei a ser expulso da sala. Ufa, certo dia uns moleques estava fazendo baderna com as cadeiras. Então Chaguinha que era o diretor chegou e enquadrou todo mundo, não sei como escapei daquela. Foi muita adrenalina. Fiquei de recuperação em matemática e português. Pensei dessa não passo. Mas passei. Na sexta série, a mão de deus me ajudou, ou melhor, o professor deu 10 a todo mundo numa prova de matemática então passei. Descobri a beleza da biologia no livro de ciências da sexta série, quantos animais. Esse não devolvi, fiquei pra mim. Aprendi muito com ele. Todos meus colegas perguntavam quando ia ter aula de educação sexual, não perguntava, tinha vergonha, mas vibrava quando alguém falava. Detestava as aulas de Duceu, de história e religião, ela não tinha culpa, mas que aulas chatas, escrevia e lia. Acho que não sabia sequer o que era história, mas ela precisava ganhar o pão de cada dia. Educando?
Ah na sétima foi maravilha, tive aula com Ledimar o melhor professor de matemática que já conheci. Será que ele era carismático não tenho dúvida. Na época era um dos poucos que fazia faculdade em Patu era ele, dona Maura, Eudes e dona Manuela. Conheciamos quando ele vinha desde que o timbre da moto zoava na padaria. Uma honda 88 vermelha linda. Finalmente contei meus dias de Serrinha dos Pintos queria estudar em Martins.
Em Martins tive meus melhores dias de escola. Lia todo dia o que o professor passava a noite, decorava tudo. Tirei muitos 10, vasculhava a biblioteca, que só tinha livros velhos. Vi muitas vezes dona Bebete cochilar, enquanto vasculava aqueles livros. Para gostar de ler... Ela muitas vezes me emprestava sem precisar anotar, sempre devolvia tudo.
Bastava a aula acabar pra correr pra lá.
Pra Martins tinha que ir de ônibus, depois de pau de arara. Foi muito bom esse tempo. Tinha a professora, minha mentora em Biologia. Janildes que amava de paixão, o professor de história Zé Nilson excelente. e outros mais. Eu disputava com Sandrinho as melhores notas.

Tudo era decoração, por isso demorei mais de três anos pra entrar na faculdade. Eita que cabra rude, pensava.
Não conseguia ler, eu interpretava. Por isso me tornei taxonomista de plantas, estou sempre usando a imagem pra interpretar.

Não aprendi a falar, me expressar, mergulhei na filosofia, acho que um dia sei lá.
A vida há de me recompensar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário