segunda-feira, 15 de novembro de 2010

O amor

Como é fácil amar na alegria,
Como é fácil de amar na folia,
como é fácil amar a quem tudo tem,
como é fácil de chamar alguém de meu bem,
de barriga cheia, sem nenhum problema.

Mas será isso o amor?
se no momento de dor,
de dificuldade, tu queres,
algo melhor, queres ti desacomodar.

Um anel não sela o amor,
o que sela são as vitórias,
vencer a dificuldade quotidiana,

Amar é como trabalhar no mar,
em dias de bonança ou calmaria,
dias de tempestade, dias de fome,
dias que parece que vai morrer,
mas antes renasce, como o sol
nascendo na manhã,
isso sim sela o amor.

Um amor incondicional,
que dribla as dificuldades,
que margeia a dor,
e renasce como a flor,
numa planta,
que acredita que um dia fruto será,
investe, sacrifica, todas as flores,
porque acredita no amor,

ah, as dificuldades selam o amor,
quem não entende isso,
desconhece o que é o amor,

pois amor não é só bonança,
é também temperança,
esperança,

um afago ao peito.

Conheci o amor,
no olhar da mãe,
que ama incondicionalmente,
até o leito de morte,
até que o trapo humano,
desencarne,
chora na sepultura,
a dor de quem partiu,

Descobri que amar a se mesmo,
é mais importante, pois
a dor que gera o amor,
muitas vezes transforma sua vida em dor,
solidão.

Entregue-se a paixão,
e tente encontrar o amor,
mas saiba que na maioria das vezes só encontrarás dor,
a vida perderá a cor,
se não souber te amar,

Amar no conforto é muito simples,
doa-se ao amor,
é morrer,
porque quem mais ama é quem mais sofre.
quem sabe na morte,
terás o sabor,
e possas dizer que de tudo tentou,
se não deu,
talvez o amor não exista,
seja algo abstrato,

não seja um fato.
Quem sabe?

quem sabe?

quem sabe?

Nenhum comentário:

Postar um comentário