domingo, 7 de novembro de 2010

Incerto

Não seio o que busco na vida. Muitas vezes sou tragado pelas paixões que crio em minha mente, inventar e reinventar motivos pra dar sentido a minha vida, nem sempre consigo ou as vezes tenho um bom motivo que com o tempo vai perdendo o brilho e fica ofuscado. As vezes me falta convicção. É preciso ser forte ter os nervos de aço para seguir uma jornada que se escolheu. As vezes falta paciência, outras vezes falta saco, mas é preciso entender que a vida é constituída de pequenas coisas. Os pequenos atos vão nos tornando experientes. Sem pressa a vida vai passando e nem percebemos, é como está diariamente diante de uma árvore e não ver que esta cresceu, não percebemos porque o tempo que demora pra árvore crescer é um tempo lento. A árvore precisa de tempo pra elaborar um tronco forte pra suportar o próprio peso. Dia a dia ela cresce, faça chuva ou faça sol, do inverno ao verão, no frio e no calor ela continua crescendo. Assim acontece conosco. Embora nos olhemos no espelho todos os dais não percebemos as rugas, não percebemos o quanto mudamos. Sempre olhamos para o futuro, esquecemos o passado e ignoramos o presente. Ora se só existimos no presente, pois nem o passado, nem o futuro nos pertence mais. E persistimos na eterna dúvida da busca. Em alimentar nossas paixões. Entendia mais a vida antes do que hoje, pois era a natureza que ensinava, a paciência e a calma. Que fui perdendo ao longo do tempo na busca de alimentar o imediato. Tenho certeza que tudo passará.
Pelo menos uma coisas ficará. As saudades da vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário