domingo, 14 de novembro de 2010

Dia em que sai de casa

Foi numa noite de luar que fui embora, era oito de agosto de 2000. Não foi o dia mais feliz da minha vida, porque deixei papai, mamãe e Roberto. Me emociono só de pensar que papai subiu na barreira e ficou chorando forte, mais parecia dor da morte. Mamãe de certo chorava. Estava muito feliz ansioso pelos estudos, triste por meus pais que ficaram sozinhos. Mas a vida anda. Peguei o grande ônibos guiado por Almeida, motorista a muitos anos da viação Oeste. Neste dia tive a felicidade de minha chefe ir à capital também. Depois de esfriado o choro, depois que saímos de Martins fui me acalmando e ficando mais ansioso por Natal, a lua clara e ansiedade não me deixaram dormir. Chegamos em Natal, chuvia bastante. Então desci no Machadão. Com um papel contendo todas as indicações de onde ia ficar. Peguei de taxi um escort, e fui certinho até a casa de minha amiga. De agora em diante seria um natalense, mas não foi fácil. Cheguei na casa chamei Josemar, finalmente conheci, sim porque Lívia minha amiga falava muito bem dele. Era um doce de pessoa. Minha vida começou lá. Por duas semanas tive que cozinhar, lavar e passar a roupa. Ir a pé pra faculdade, com medo de me perder. Mas foi uma aventura. Foi uma maravilha podia estudar até altas horas, fazer o que quisesse. Nem tudo foi doce, nem tudo foi amargo. Foi natural. Fui forte, tive sorte. Eu sobrevivi, mesmo as saudades de meus pais. Formei-me e me pergunto meu deus quando vais me dar um emprego? Quando vou poder ajudar meus pais?
Fazem 10 anos de estudos. Que batalha longa. A vida há de nos recompensar!

Nenhum comentário:

Postar um comentário