terça-feira, 9 de novembro de 2010

Cinzas do São João

As cinzas

As cinzas da fogueira de são joão,
abrigam calor e brasas,
cinzas das chamas que alegram a noite passada.
cinzas de uma fogueira feita as pressas,
de improviso, com madeira velha e madeira verde, pra não queimar e acabar com a festa cedo.
Coisas de papai.

Quando chegava junho que alegria sentia. Começava logo no dia 12 dia de Santo Antônio, não sabia que era dia dos namorados, só sabia das experiências do santo casamenteiro. Tantas superstições engraças e ingênuas. Papai não fazia fogueira, pois nos preparávamos para o São João. E contava a dedos os dias que se passavam, esperando o grande dia. O dia dos bolos de milho, dos traques, das bombas, da queima de bombril. Eis que chegara o grande dia. Acordava feliz, pulava da cama e fazia tudo que papai e mamãe mandade, pois tinha que ganhar traques no mínimo vinte estouros ganhava. Botava água, cortava palmatória pro gado. Moia o milho prós bolos, prás broas. Mamãe sempre fazia dois ou três bolos. Um nos comíamos a noite mesmo e o outro ficava pra manhã, lógico que o melhor né. Então papai quebrava milho verde e assava na fogueira. Era um ritual, ajudava papai a fazer a fogueira. Pra isso saiamos sítio a dentro em busca de madeira seca, dos galhos ou cajueiros secos, papai cortava madeira de cajarana, que não é uma madeira boa quando seca, verde pra não queimar tudo até o fim da noite. Então chamava os filhos do meu vizinho para ajudar a carregar a lenha. Os pais deles não fazia fogueira, não creiam em santos, eram evangélicos. Então trazíamos o balseiro de lenha pro terreiro e antes das cinco horas estava pronta a foqueira, grande e linda. Às seis iamos todos para o terreiro ver papai acender a fogueira. Logo aquele fogo tímido saido da lamparina tomava conta da lenha. Os crentes passavam pra igreja e davam boa noite. As vezes Heleno vinha com Maria e Fernando lá pra casa. Então soltava o primeiro traque pra animar a festa. Pow, Lidiana minha irmã mais nova tinha medo de traque coitada e começava a chorar, pra ela creio que era um pavor a festa, acho que pra ela só prestava quando acabavam os estouros. um, dois, três... pow, pow, pow... Respondia longe lá prás bandas de Antônio Matins. Ouviamos o som do forró longe. Vinha o milho assado, o café feito na fogueira e o bolo. Que alegria, que festa. Viva São João!!!!
Eram sempre felizes as festas juninas.
De manhã cedo mamãe já acordava pra varrer o terreiro e as cinzas eram posta na valeta da frente. Sempre ficava a marca de queimado no chão que só era apagada com as últimas chuvas do ano. E a assim foram minhas festas juninas felizes, divertidas e abençõadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário