domingo, 7 de novembro de 2010

Banho

O corpo cansado,
ainda soado,
pede por um banho.

No banheiro peça por peça,
se despétala.
Despido até a alma,
enfim no banheiro,
somos nós mesmo,
sozinhos cúmplice,
apenas o espelho.

Muitas vezes nos encara,
nos questiona.
Sentamos na privada e pensamos na vida,
um alívio instantâneo nos faz esquecer quem somos.

Sob o chuveiro cai a água,
molha nosso corpo,
nossa alma,
nosso ser se molha.

E quando acaba,
por instantes renovamos,
revivemos, relaxados ressurgimos.
Com apenas um abraço da alma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário