quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Aurora

Aurora,

No nascente a frente de minha casa,
quantos dias não vi a ti aurora,
encarnada, embrasada,
surgias endeusada,
anunciando a chegada de apolo,
quebrava a hegemonia da noite,
despontava inebriada de sono,
mas sempre vinha,
vinha guiada pela pela dalva,
pela lua...
Tu trazias a bruma da manhã,
vinha roubar-me a cama,
despertar meus sonhos,
ao canto da passarada,
despertava, tu me acordavas,
e te contemplar era tão bom.

Mas o tempo passa,
muita coisa perde a graça,
a vida segue ao som do vento.

Na concha do tempo,
soam as doces memórias,
de perdas e vitórias,
cantadas a ti.
Aurora, não demora,
que já morro de saudades
de mirar-te, amar-te.

em teu ruivo olhar,
contemplar,
viajar eternamente,
e me deixar,
sempre a ti esperar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário