terça-feira, 2 de novembro de 2010

Adaptação


Passei no vestibular, me mudei para Natal a capital do meu estado, Rio Grande do Norte, fui fazer universidade pública. Não tinha dinheiro para me manter, meus pais eram agricultores, então consegui uma vaga na moradia. Fui morar na moradia estudantil. O apartamento que me acolheu foi o 14. Onde fiz meus primeiros colegas que depois viraram grandes amigos. Eram cinco pessoas Anderson fazia Engenharia de Computação, Erivaldo Economia, Felipe Zootecnia, Gilsão Educação Física e Juan Engenharia Têxtil. Juan foi quem primeiro se tornou colega, depois Erivaldo, e por fim Anderson. Felipe e Gilsão eram muito na deles não ligava para um calouro. Foi uma época muito difícil de adaptação, reeducação. Tive que aprender a viver com pessoas que não conhecia, perdi totalmente minha privacidade. Passei uma semana dormindo muito mal. Não conseguia dormir com a luz acesa, dormir tarde. Quando morava em casa a hora mais tarde que dormia era as 22:30, mas tive que aprender a dormir as 23:30, às vezes a meia noite. Imagine morar seis pessoas num quarto de três metros de largura por 5 de comprimento. Com três beliches, 6 armários e um computador e sujeira. Nosso quarto era uma bagunça total, roupas sujas, calçados sujos. Pensei como vou resistir a isso. Banheiro comunitário, com um mictório enorme, mais parecia uma valeta erguida, com paredes incrustadas de sal cristalizados da urina, exalando um cheiro forte de mijo. As privadas tinham tampas pra sentar amarelas de sujo, as paredes pretas de porra. Descarga de porra onde uma multidão de estudantes descarregavam seus desejos. Era ali que todos os dejetos humanos, desejos eram descartados, numa sujeira enorme, como fazer o primeiro cocô naquela privada. Eis um drama o banheiro me provocava medo. Pra mim que vinha do mato, que fazia cocó no mato, sem papel higiênico ou descarga, as fezes muitas vezes no interior servem pra alimentar as galinhas. Em Serrinha eu cagava era no mato, as vezes debaixo do mufumbo. Bem foi um drama sentar naquele trono amarelo. Enfím sentei e fiz e fui me acostumando. O chão da moradia era coberto com uma cerâmica pequena vermelha. Em frente a cada quarto tinha um balde de lixo onde punhamos os lixos ou escarravamos, tinha uns animais que escarravam na tampa ou na parede. Naquele ambiente não se tinha o mínimo respeito ou moral. Alí tinha mais moral aquele que arrotasse ou peidasse mais alto. Tinham os rapazes muito educados que nunca faziam isso, mas não pertencia a esse clã. Tinha uma cozinha que ficava no final do corredor junto do banheiro que o mal cheiro de bosta muitas vezes misturava com o cheiro do café. Era na cozinha onde as vezes tirávamos um som. Som de Legião, Barão ou Capital. Bem no salão de entrada tinha uma televisão coletiva que a maioria decidia que seria assistido. Senão quando muito quem chegasse primeiro. Era nesse salão que ocorriam as reuniões que as vezes saia até briga de boca. Tinham duas portas uma de entrada principal e uma que dava para os fundos, malditos tinham uns folgados que faziam xixi ali mesmo por não terem coragem de ir até o banheiro. Certo tempo ali fedia a mijo. Bem nessa sala tinha uma saleta do computador que quase ninguém usava e uma sala do telefone. Bem pra moradia toda os 96 estudantes tinha dois telefones. O orelhão de fora que a tolerância de tempo eram 15 minutos e o telefone de dentro da cabine cuja tolerancia era 5 minutos. Este de detro podia-se ligar para dentro da cidade de graça e receber ligações de fora, pedia pra meus pais ligarem sempre para o orelhão, pois daria mais tempo para falar as notícias. Ou falar com a namorada que arranjei depois.
Mas enfim nos primeiros dois meses perdi 10 quilos voltei pra casa muito magro, tive uma herpes labial muito intensa, ficou feio minha boca com aquela chaga. Primeira vez que fui pra casa foi no dia da votação para prefeito, quando cheguei em casa chorei tanto, muito. Nem imagina quão grande foi minha alegria ao subir a serra do Martins, chegar em casa. Pai me dizia que podia desistir, mas eu só chorava, tinha medo, mas aos poucos estava aprendendo. Adaptando-me, crescendo. Tinha apenas 20 anos. Foi ai que minha segunda vida começou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário