domingo, 17 de outubro de 2010

Manhãs de domingo

Manhã de domingo

Quando era criança os domingos tinham sempre um maravilhoso sabor de bolo. Não sei porque, mais os domingos era para mim o melhor dia da semana. Geralmente minhas irmãs e minha mãe dormiam um pouquinho a mais. Já eu queria mesmo era acordar mais cedo pra ver a missa, engraçado gostava da missa, mas a parte que mais me interessava era a liturgia, leituras da palavra, se perdesse a liturgia a missa perdia o sentido não me interessava muito a homilia, hora de preparação da óstia, gostada de ouvir a oratória do padre e adorava quando no final da missa o bispo fazia um discurso moral. É isso, foi ai que aprendi a gostar de filosofia, foram as lições de moral que me levaram a gostar de filosofia. Depois vinha o globo rural que me deixava maravilhado, morei no sítio até os vinte anos, e a parte de biologia no globo rural me encantava, mas antes que terminasse, bem mamãe já tinha voltado do curral com o leite. Engraçado que lá em casa papai nunca aprendeu a tirar leite, nem eu, meu irmão começou a tirar, mas antes que aperfeiçoasse na arte foi embora pra São Paulo. Mamãe punha o balde de leite sobre a mesa e já gritava pra todo mundo acordar, eu já estava vendo televisão. Mamãe era de lua dias estava uma seda, dias uma fera, preferia quando ela estava uma seda, vai saber o que modifica nosso humor.
Então ela chamava par ao café, não gostava muito se interromper o que estava assistindo, mas as vezes era preciso a grito ia pra mesa, se estivesse passando a missa ela não reclamava, mas se fosse o globo rural, tinha que ir tomar o café. Gostava dos sermões do Don Eulder porque tinha de fundo música clássica, agora sei que ouvia Bach, ás vezes mamãe implicava até em eu ver esse discurso, mamãe não entendia muito bem filosofia da moral, nem eu mas aprendi a gostar. Tinha muita fé em Deus, achava que a vida era como receita de bolo se seguisse direitinho os passos seria uma vida deliciosa e perfeita. Era muito católico e toda minha família. Bem o fato era que nas manhã de domingo tinha sempre um bolo é sim, algo diferente e delicioso. Amava bolos, aquele bolo que mamãe ou as meninas faziam era mágico, um bolos simples de ovo, mas que fazia a diferença, pois na semana comiamos sempre tapioca ou cuscus, depois passamos a consumir bolacha ou pão, mas aqueles bolos eram sempre a melhor coisa do domingo. Quando sentávamos a mesa mamãe partia o bolo e dividia entre nós, cada um comia uma bela fatia se sobrasse eu comia mais de uma acompanhado de café com leite. Adorava essa mistura encorpada meio a meio. Gostava do cheiro, da cor e do sabor do café com leite. Depois de saciado não tinha muita coisa a fazer já que tinha feito as obrigações no dia anterior. As vezes voltava a ver televisão. As vezes mamãe me levava pra passear com ela, gostava de minha companhia. Nós iamos para a casa de meus avós maternos ou paternos ou ficava em casa era uma coisa incerta. Achava engraçado quando iamos para a casa de vovô Chiquinha e encontrávamos papai lá era bom ver papai lá também, desses passeios de infância lembro bem, ainda era muito pequeno, que meus avôs da parte de papai iam sempre a missa, quando chevagamos lá eles não tinham chegado ainda, então esperavamos e achava bonito ver eles chegando, a espera era bom, gostava porque era bonito, meu avó vinha na frente com o Francisco, um primo, seguido de vovô.
As vezes iamos pra casa da vó Sinha e vô Zé Neve. Nós iamos sempre a pé, mas isso é uma outra história. Quando ficavamos em casa o dia era muito bom também. Não sei porque os domingos hoje não tem o brilho de antes. Depois que eu cresci e tenho obrigações as coisas perderam a graça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário