domingo, 24 de outubro de 2010

Férias de fim de ano

Férias

Minhas primeiras férias só na casa de parentes aconteceu no fim do ano dezembro de 1991, tinha apenas 12 anos. Acabara de concluir a quinta serie do ginásio, foi um ano muito difícil, fiquei de recuperação em matemática e português, ali naquele ano seria como cruzar o cabo da boa esperança de tamanha dificuldade. Bem fui na onda dos moleques, novos amigos que conheci e nessa ia me dando muito mal. Não gostava nem um pouco das aulas, ainda não faziam sentido pra mim. Mas o fato é que gosto de ser desacreditado, gosto sempre de atingir meus objetivos, tive que estudar mais pra passar de ano. E consegui, passei pra sexta série, bem depois eu conto, mas só pra ter uma ideia depois da sexta série tomei gosto pelos estudos. Por ter ficado de recuperação minhas férias foram menores, mas passei, não podia ficar pra trás demais, sempre era um ano atrás de minha irmã. Enfim, nessa época tinha Nevinha e tio Aldo já estava morando no sertão, lá nas Pitombeiras, eu ainda não conhecia e queria muito ir pra lá porque seria um novo lugar que iria conhecer e ficava próximo da casa de Maria filha de tio Aldo, ela tinha três filhos seria muito legal, iríamos brincar muito. Bem pra ir pra lá eu precisava pegar um carro de linha que na época era o de seu Tonho, uma F4000 na epoca eu achava muito bacana era uma 3/4 linda, já tinham mais modernas, a de seu Tonho tinha a boleia amarela com com decaultes pretos, faróis redodndos, as mais modernas tinham faróis duplos e quadrados. O quadrado era moderno pra mim. Bem no dia combinado pra ir, fazia dias que estava contando dia a dia no calendário. Acordei mais cedo pra não perder a hora, tomei o café e fiquei na área esperando, vazia um friozinho gostoso, a luz do sol despontava no nascente, o céu estava crepuscular, era aurora, a luz dos postes ainda estavam acesas. As galinhas já andavam pelo terreiro frio. Bem na frente de minha casa tinha um cajueiro onde as vezes parava vacas e faziam cocô, mamãe ficava muito irada com isso, pois todos os dias ela tinha por obrigação varrer o terreiro aquilo era sua ginástica quotidiana, varria com melosa, Stylosanthes viscosa para os conhecedores de botânica, bem como já acordamos, ela já foi fazendo a vassoura. Dai a pouco ouvimos o timbre do carro que já vinha lá por seu Mundinho ou Lolo, só podia ser por ali, pois tinha um alto ali, e bem em frente a casa de Dequin, o carro acabara de subir o alto, logo em frente a casa de Loló começava a descida, então na casa de Dequin o motorista dar uma desacelerada, e logo troca de marcha e na casa de Loló da-lhes outra marcha o carro soltava aquele timbre que avisa a quem tivesse atento. Nossa memória de timbre é muito aguçada, aprendemos fácil quem vinha só pelo timbre, logo ouvimos ai pai falou que já vinha corri pra estrada e ele veio junto, deu com a mão e o carro parou era um pau de arara, cheio de bancos uns sete ou oito, sem muito conforto, mas pra mim na época era um carro. E lá vamos nos Serra abaixo. Que felicidade, ir pro certão passar em Pau dos Ferros a maior cidade que eu conhecia, tinha até sinal de trânsito. Bem quando chegamos depois do pé da Serra o carro parou para as pessoas fazerem um lanche, estava cheio, não tinha dinheiro pra fazer lanche, além do mais a viagem demorava menos de duas horas. Depois seguimos para a cidade. Chegamos lá cedo, então quem me levou pra casa de tia foi Zezim. Ele tinha uma moto 82 vermelha de tanque redondo, era feia mas muito boa, pra época, começaram a sair as Hondas 92 as mais lindas motos. Ele ia todos os dias vender leite, então amarrou as os baldes e lá fomos nós sertão a dentro. Quando cheguei na casa das pitombeiras fiquei maravilhado que casa grande, enorme desci, não vi muita graça lá não tinha crianças, mas tinha uma televisão daria pra ver as novelas, era muito fã de novelas. Desenho que mais gostava, ah isso não daria, tia Nevinha não gostava, nem novela ela gostava muito só de jornal, como não entendia jornal nem liguei, pensei quero é ir lá pra Maria, lá tem açude, monaretas, mas bem fiquei lá em tia, foi muito gostoso, no sábado de manhã tio algo arriou a carroça numa burra branca e fomos à cidade. Que coisa boa aquela burra mais parecia uma C10, corria que era uma beleza. Tio Aldo era um homem muito bem humorado, barriga cheia, com ele não tinha miséria. Já tia Nevinha era muito nervosa, se irritava fácil, falava muito alto. Os filhos que moravam com eles era Aparecida a caçula e Nobe que fora adotado. Bem aquele dia de feira foi muito bom, fui num mercado que fiquei boquiaberto com o tamanho, nem em Serrinha, sequer em Martins, bem já tinha ido a Alexandria onde morava tia Chaga e tio Dedá, mas lá também não tinha. Uau, pensei e se me perder. Fiquei esperto de me perdesse ali estava lascado, seria um morador de ruas. Tinha muito medo de me perder. Voltamos pra casa, depois fui lá pra casa de Maria, antes fui na casa de Zé irmão de Zezim, outra casa enorme linda, com vista pra Chico Dantas uma cidadezinha e para dois açudes. Tanta água refresca o ambiente. Ah na casa que tio Aldo morava em frente tinha um açude muito grande, tinha muito peixe lá, quase todos dias que estive lá comi muito bem a comida da tia era saborosa. Era arroz da terra, peixe, carne, preá e banana. Era uma fartura. Bem a casa tinha dois lados com enormes varandas, fresco. Em frente a casa tinha um poste com luz. Certa vez foram roubar peixe no açude, mas tio Aldo escurraçou os ladrões à bala, tia Nevinha contou esse epísódio enquanto estávamos sentado na área. Tio Aldo trabalhava muito lá, e nós sentados na área ouvindo o som das siriemas. Essas férias passaram muito rápido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário