domingo, 19 de setembro de 2010

Vento

O vento que não dorme,
viaja mundo a fora,
a toda e qualquer hora,
principalmente em dia ensolarado,
sai por ai empolgado,
a beijar as flores,
mexer com as árvores,
fazendo-as chiar.

Sai por ai, de cá pra lá,
este sem vergonha,
muito cedo, antes que o sol me acordasse,
já veio me incomodar,
entrou de fininho,
por debaixo da porta,
soprando em meu rosto,
me fez acordar,
fez a acacia da minha minha rua a chiar,
vi a incitando a brigar,

veio e ficou,
chamou o sol,

me trouxe o dia.

Bem quase não consegui acordar,
meus olhos resistiam em abrir,
mas abriu,
minha bexiga exigiu,
desapertar,
foi ao banheiro,
enquanto isso o sol inundou meu quarto de luz,

quando voltei para a cama,
já era dia,
hum que frio,
foi o vento que trouxe o frio,
me enrolei no cobertor,
e olhei de lado,
debaixo da tv,

uma linda kalanchoe,
de sorriso ardente,
picante,
enamorada,
vermelha,
sorria, como sorria,
ao ver e ou vir o vento,
batendo na porta,
exigindo seus beijos,
quando ela me viu observando essa cena,
ficou mais vermelha,
sorriu emcabulada,
sorri e corri com o sol,
que não deixou os passarinhos cantarem,

talvez tenha trazido o frio,
ou sei lá,

sei que a rua tá vazia, só o silêncio ai habita agora.
e o vento...

vai viajar vento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário