sábado, 11 de setembro de 2010

Quem sou.

Quem eu sou?

Meu passado ficou para trás, atrás da serra onde o sol se põe.
Está adormecido, talvez escondido, mas seu reflexo reluz em mim.
Sim quando eu falo e quando calo.
Porque nunca deixei de ser eu.
Eu carrego minha cultura, minhas raiz em mim,
vinte anos só de interior,
vinte anos no interior,
assim me constituí,
aprendi com o silêncio das plantas a calar,
não aprendi a comunicar,
só sei falar o que vem a mim língua,
falo, metade do que falo pode se escorrer pelo ralo,
não se aproveita nada,
aprendi com a brida da tarde que me fala e não diz nada,
mas balança os ramos das árvores,
faz o catavento girar sem parar.
Quanta coisa me constitui, quantos mundos, palavras, culturas.
O que cabe em minha mente?
Não sei, mas sei que o que tem nela me constitui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário