terça-feira, 21 de setembro de 2010

A graça da praça

Quando era menino queria crescer para passear na praça sozinho,
mas só me restava o cos da calça de meus pais, que diziam
tenha calma, já acaba, cale a boca.
Finalmente fui crescendo e me tornando livre, e então podia ir a praça quando quisesse,
desfrutei muito dessa liberdade, mas o tempo passa.
E aquela praça perdeu a graça, as meninas não me olhavam,
fui conhecer outra praça a da cidade vizinha, curti por um tempo, mas também ficou sem graça,
eu não percebia que era eu que estava perdendo a graça e cedendo espaço para os outros
rapazes que se tornavam livres. O tempo passou, fui embora da cidade,
para a universidade onde tinha praça, mas vazia e sem graça,
o que me encantava eram as discussões.
Quando voltei para casa, já tinha perdido parte de mim, já tinha construído outro eu.
Quem eu deixei evoluira e eu me perdera.
Gerações novas vieram e sequem lembram de mim.

Aquela praça foi reformada perdeu os bancos o riso e eu
pareço meu pai ontem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário