sexta-feira, 20 de agosto de 2010

vida vida

Meus olhos tingidos de vermelho,
meu rosto pálido de olheiras,
minha pele seca.

Doí a garganta seca,
a cabeça pesa,
o sono que desejo dormir,
aguarda por algo.

Certas noites acordo preocupado,
certos dias me deixam tão insatisfeito
que tenho que driblar a realidade,
e me enveredar pela literatura para
suportar a vida.

Dói a garganta,
e o que fazer para confortar
o desconforto?

Doi minha coluna,
arqueada,
se me movo estalam os ossos.

se fecho os olhos sinto o incomodo
da cabeça que parece oca.

Entre uma frase e outra o desespero humano.

A noite silenciosa e vazia tem a lua como companheira.

ouço Bach,

sinto muito cansaço de tudo,

sinto saudades de casa paterna,
onde podia fugir da vida,
para o mato,
para o campo,
cheirar uma flor,
uma folha macerada.

A vida parecia perfeita,
e os sonhos grandes.

enfim
vou dormir,

quem me compreende mais que eu?

Talvez ninguém,
talvez aprenda com o outro a me conhecer,
quero como uma esponja me encher de vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário