domingo, 1 de agosto de 2010

Morte

Eis aquele respirava, não respira mais.
Aquele que falava, calou.
Não mais sorri, expressa, perdeu sua autonomia,
Agora dorme um sono infinito.
perdeu sua alma,
o que resta é apenas um corpo frio,
que em pouco tempo se desintegrará.
A quantos não serviu,
respondeu, trabalho e construiu?
Quantas vezes acordou, pensou e sonhou.
Quanta coisa projetou.
Agora partiu.
Seu espírito desmaterializou.
A vida seguirá em frente,
mas este que vês partiu sem se despedir.

Só restarão lembranças,
boas.

Será docemente apagado pelo tempo,
partiu para o infinito de onde veio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário