segunda-feira, 28 de junho de 2010

A praça

Sentei-me na praça para ver os transeuntes passarem. Desliguei-me do mundo. Fiquei ali sentado, imóvel olhando cada pessoa que passava, suas expressões, suas roupas, seus passos. Não sei porque fiz isso, mas sei que não era por estar cansado. Talvez porque achei aquele lugar tão agradável e achei tão bonito a dinâmica daquelas pessoas, talvez resolvi ficar em estado de inércia. Olhei para o céu azul, para as ruas de luz tão limpa, ma de poeira frouxa. Vi alguns indigentes mexendo nas latas de lixo em busca de comida. Vi também alguns camelôs vendendo muamba. Vi policiais vigiando. De repente um vento frouxo cruza a rua e deu uma sensação agradável de bem está. Um senhor vende picolé. Chamo-o e peço-lhe um ele me vende e vai embora. Então permaneço ali, tomando meu picolé. Vendo os transeuntes passarem. Uns passam apressados, outros devagar, mas todos passam. Até mesmo eu e minha inércia, levantei-me e fui embora, mas a praça continuou lá. O que eu vi na praça? Um lugar excelente para descansar, ver o povo passar, estudar o outro, analisar as milhares de possibilidades que podem acontecer.
A Praça pode ser um lugar tranquilo, limpo, agradável de ali permancecer.
A praça pode ser um lugar agitado, sujo, desagradável de ali estar.
Repentinamente voce pode ser atingido por uma bala perdida.
Na praça voce pode encontrar o grande amor de sua vida, pode também conceber uma vida.
A praça é um lugar público onde podes desfrutar de um bom banco ou de uma bela paisagem de um jardim, de árvores ou de uma bela igreja, de uma fonte.
Quantas vezes estamos entre amigos numa praça?

Bem que poderia ter música nas praças.

Acho que nas praças dos centros a sintonia que pode se encontrar é aquela que cada um expressa para o outro em suas conversas alinhadas ou desalinhadas, informativas.

As praças hoje abrigam indigentes, trabalhadores, bustos e tudo de mais urbano e humano.

Parar para contemplar pode ser uma boa, pode ser arriscado,
mas a vida é assim estocástica.
isso é viver.

Nenhum comentário:

Postar um comentário