terça-feira, 29 de junho de 2010

A morte das plantas

Seguindo em frente ao através das ruas podemos perceber que já não cultivam mais jardins, nem uma árvore sequer, mas estão se substituindo todas plantas por calçadas.
O que ganham com isso?
redução nas contas de água?
Parece que não, pois vemos muitos litros de água potável sendo utilizadas, aos jatos, como vassouras para limpar estas calçadas nuas. As ruas estão ficando cada vez mais nuas, quentes e feias. Talvez seja a falta de tempo para regar as plantas ou talvez quem sabe é uma tendência da arquitetura contemporânea, quem sabe?
Calçadas não sujam e dão acesso aos pedestres. As plantas por outro lado tem papel inverso. No entanto seus hábitos, suas folhas e flores embelezam as ruas, fazem sombra, além de retirar carbono da atmosfera e liberam oxigênio, porém parece que já não tem o devido valor. Alguns exemplos agradáveis é caminhar por um bairro arborizado de sibipirunas em um intenso dia de sol, com suas flores douradas ou talvez a sombra dos flamboiãs, com sua arquitetura linda. O que nota-se é um descaso por parte das pessoas, das autoridades públicas. Não faz mais que três anos que moro aqui em Barão Geraldo, distrito de Campinas e já pude presenciar a derrubada de diversas árvores e o pior várias destas foram derrubadas de dentro da unicamp. O que se pode pensar se uma instituição que deveria da exemplo plantando árvores está seguindo o caminho oposto. Causa em mim profunda tristeza ver uma árvore, um jardim morrer. A troco de que?
Vai saber.

Nenhum comentário:

Postar um comentário