terça-feira, 4 de maio de 2010

a laranja

Uma laranja verde sobre a mesa, dia após dia, perde o a cor verde e paulatinamente torna-se amarela, seca, dura.
Faz uma semana que trousse esta laranja do restaurante e a pus em sobre minha mesa, não me servi de seu suco, mas me serviu de admiração,pois nela há tanta beleza.
O que há de belo em uma laranja?
Depende de quem ver, gosta ou tem mente fertil.
Para mim já basta a sua forma imperfeita de esfera, sua cor, sua poricidade, sua consistência.
Como pode algo naturalmente faz-se esférico, sem que haja um molde? de onde vem essa força? E sua cor como pode mudar com o tempo?
Laranja me trás boas e más lembranças.
Boas quando criança adorava chupar laranja no pé, ruim quando criança, via laranja sobre cadaveres para disfarçar o mal cheiro.

Poderia sentir seu sabor ácido, caudaloso, mas prefiro adimirar sua forma.
Poder pensar sobre sua origem e reflerir sobre tudo, principalmente sobre a vida.
A laranja viçosa que com o tempo perde o vigor, ganha nova cor, torna-se mais doce.
A vida viçosa é dominada pelo tempo e o que resta e a gratificante busca e encontro da sabedoria.
Porque o que nos resta é a entropia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário