segunda-feira, 12 de abril de 2010

Conciência

Caminhando pelas ruas podemos perceber o quanto somos ignorados, ainda mais, quando somos pedestres. As pessoas em seus meios de transportes, com suas correrias não respeitam as faixas de pedestres e quando tem as ciclovias. Outro dia quando caminhava para casa no fim de tarde, vindo da universidade, seguia pela via de bicicleta, quando já próximo a um retorno, onde havia um cruzamento, entre a ciclovia e rodovia, onde havia uma placa extanpada antes do cruzamento indicando preferência ao pedestre. Fiquei indignado quando uma senhora de seus 45 a 50 anos parou o carro bem em cima da ciclovia, então, me aproximei do carro e educadamente falei para ela que estava errado parar o carro naquele local. A senhora me ignorou por um instante, acelerou o carro tirou-o da ciclovia e em seguida e gritou que ali era ciclovia e que eu era um pedestre, ou seja por ser pedestre não teria razão de reclamar, no entanto não discuti e fui embora, pelo menos ela falou isso depois que saiu da via. Acho que por aquele instante ela si tocou que estava errada, mas se sentiu ferida por ter sido repreendida.
Aqui em Campinas é comum o pedestre aguardar todos os carros passarem em uma faixa sem sinal, as grande maioria falta com educação, os motoristas parecem ignorar a presença dos pedestre até mesmo em locais onde estes têm preferências.
A educação no trânsito, não só neste município, mas em quase todo o Basil, faz-se necessária visto que sem esta voltaremos a barbárie. Mesmo esntando no ápice da evolução tecnológica, nos comportamos como trogloditas, pois expressamos nossos egoismos cegamente diante de situações em que estamos errados, por orgulho achamos que estamos certos. Somos todos tão intolerantes aos erros alheios e complacentes com o os nossos.
Acho que após ler este texto, possas ter um breve momento de reflexão onde erro? onde posso melhorar? Será que sou um bom motorista?
Acho que se aos poucos agir com uma boa atitude, por mínima que seja, poderemos melhorar nossa qualidade de vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário