segunda-feira, 22 de março de 2010

Conversas

A quanto tempo não revejo os amigos que deixei quando parti de minha terra nem me lembro mais, pois faz tanto tempo que pude desfrutar daquelas conversas sadias.
Sempre que podiamos nos reuniamos para conversar, na cozinha, na hora do almoço ou do jantar, na lavanderia nunca faltava alguém para conversar. Nossas conversas iam desde futebol, política, cursos e é claro de mulher, assunto corriqueiro nos corredores da moradia. O engraçado é como nos comportavamos, pois para cada pessoa abortava-se um assunto diferente, ou seja tinhamos pessoas preferidas para tratar de assuntos específicos. Muitas vezes varavamos a matrugada conversando, tomando aquele café, entre uma conversa e outra iamos matando o tempo cheio de tédio, pela distância da família, pela falta de recurso, de tempo, pois estavamos ali para estudar, aproveitar o tempo, mas claro que ninguém é de ferro para estudar o tempo todo, precisavamos viver e conversar significava está vivo. Meus queridos amigos que sempre estavam presente cotidanamente, o jornalista intelectual Silvano Araújo, o Engenheiro Chico Targino, odontologo Francisco Canindé, Historiador Demison, Geologo José Airton, Biólogo Alex Luz, Juiz Gilvanklim Marques, falecido psicologo Taniberg Albano dentre outros, é claro que não citei os amigos de quarto que eram mais amigos que amigos de conversas.
Quanto tempo não disponho de conversar com tais figura, que saudade boa, pois todos estão seguindo a vida muito bem e eu segui o meu caminho, consegui achar o caminho que me levará ao lugar almejado. Durante esse tempo de busca quantos amigos fiz,
quantos ficaram por ai, mas levo em meu coração como trofeu maior de minhas conquistas, pois acredito que a amizade é o bem maior de um homem.
Novos amigos consegui são maravilhosos, mas são outros amigos outro perfil, adoro-os, mas sinto saldades do campus, do campo, dos timbres, dos risos, da amizade acalorada aos sabor do café, das conversas da vida vivida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário