segunda-feira, 28 de setembro de 2009

fim do dia

Ao reluzir no fim do dia,
o sol partia em alegria,
e logo vinha estrela d´alva,
iluminar os meus sonhos,
vezes felizes ou tristonhos.
a luz de vela,
minha esperança de fria luz,
vaga lembrança,
enchia a mente de eterna luz,
e a idade como uma cruz,
não deixa de nos sequir,
vem e deixa marcas,
nas nossas peles e nossas mentes,
ficamos mais experientes,
mais próximos de nosso fim,
mais felizes ou infelizes,
tudo depende de nossas esperanças,
já não somos mais crianças,
que no fim do dia,
há sempre uma poesia,
cósmica do fim do dia,
a leve poesia,
ao doce Bandeira.
no fim do dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário